« voltar PRINCIPAL CAPA PÁGINA 2 PÁGINA 3 PÁGINA 4 avançar »
Candidatos desenham plataforma de campanha

       Jornal da CIPE – Dr. Baratella, que motivou o senhor a concorrer à presidência da entidade?

       Baratella - Minha atividade frente à estadual de São Paulo permitiu-me perceber que, fruto da dedicação e do trabalho sério de um grupo de colegas dispostos a se dedicar à causa do engrandecimento de sua sociedade representativa, é possível colher bons resultados e interferir no caminho da Especialidade contribuindo para o seu aprimoramento.

       Nada mais natural, portanto, do que, recebendo o estímulo de vários colegas cirurgiões pediátricos, até mesmo de fora de São Paulo, e tendo a absoluta certeza de que muito mais pode ser realizado pela CIPE do que tem sido feito, tanto no que diz respeito a seus próprios associados, como às demais entidades médicas e à sociedade em geral, intui a possibilidade do lançamento de minha candidatura. A materialização deste fato se deu, entretanto, em função do decidido apoio de um extraordinário grupo de colegas, também decididos a trabalhar para reformar os métodos e ações da Associação, a fim de fazê-la crescer como bem merece e necessita.

       Jornal da CIPE – Em termos gerais, quais as suas principais metas de gestão?

       Baratella - No mundo atual, em que os embates são fortes, as disputas muitas e eventualmente personalísticas, e o avanço do conhecimento extremamente rápido, não se pode prescindir da união para a sobrevivência e para o sucesso. Assim, a Chapa Renovação e Crescimento entende como necessidade primeira a busca da reunião dos associados em torno de sua associação máxima, a CIPE, para efetivamente poder trabalhar a correção de rumos, pois regionais e nacional são partes de um mesmo corpo e de sua interação nasce a força.

       Sob nossa gestão a CIPE envidará todos os esforços para que cada estadual cresça de fato e que a diferença em tamanho, quantificada pelo número de associados, se iguale, na realidade, por desempenho e por participação. Para tal, é absolutamente necessária descentralização administrativa, associada à valorização profissional do cirurgião pediátrico, no ambiente interno e externo à Sociedade, ao total estímulo e efetivo apoio da Diretoria a eventos científicos nacionais e regionais, à implementação de um projeto consistente de educação continuada e, também, ao bom uso da tecnologia de comunicação eletrônica, como suporte no congraçamento, no desenvolvimento científico e cultural e na melhoria das condições profissionais do associado. Imprescindível é dispensar especial atenção aos residentes e recém-egressos da Residência, no sentido de encontrarem forte respaldo na CIPE para poderem dispor de adequada formação técnica, humana e ética e, assim, se fixarem na Associação.

       Jornal da CIPE - Quais as metas consideradas emergenciais, ações de curto prazo?

       Baratella - Teremos que começar selecionando algumas atividades para podermos ao final implantar “in totum” o nosso projeto que, detalhadamente, já vem sendo divulgado e continuará a sê-lo junto aos colegas. Assim instalaremos de início medida administrativa, que, embora pareça menor, é de absoluta relevância, ou seja, o despacho semanal, pelo presidente e pelo secretário geral, em dia e horário fixos, na sede da CIPE e à disposição dos associados, além de outra imprescindível, a atualização e cadastramento de todos os cirurgiões pediátricos. Será, também, dado imediato início à luta pela implantação dos procedimentos de alta complexidade (cirurgia neonatal, correção de malformações graves) e o trabalho de esclarecimento junto aos convênios, para evitar glosas de cirurgias que constem em tabelas de outras especialidades. Ainda, prontamente será estudado e organizado, junto às Estaduais interessadas, cronograma de Jornadas Regionais para 2007. A busca de patrocínios também necessita de presteza, pois é suporte necessário para uma gestão profícua. Enfim, serão, todas estas, atividades que estarão sendo implantadas e acontecendo simultaneamente e não sucessivamente.


Composição da Chapa Renovação e Crescimento
Presidente-José Roberto de Souza Baratella (SP). 1º Vice – Presidente Max Carsalad Schlobach (MG). 2º Vice-Presidente - Elinês Oliva Maciel (RS). Secretário Geral - José Carnevale (SP). 1º Secretário - Mércia Maria Braga Rocha (DF). 2º Secretário - Maria do Socorro Mendonça de Campos (BA). 1º Tesoureiro - Roberto Antonio Mastroti (SP). 2º Tesoureiro - Paulo Carvalho Vilela (PE). Diretor de Patrimônio - Pedro Muñoz Fernandez (SP). Diretor de Publicações - Sylvio Gilberto Andrade Ávila (PR). Diretor de Relações Internacionais - Paulo Roberto Mafra Boechat (RJ).
José Roberto de Souza Baratella (63) é formado pela Escola Paulista de Medicina (EPM), turma de 1967 e cursou Residência de Cirurgia Geral no Hospital São Paulo (EPM). Desenvolveu sua formação básica em Cirurgia Pediátrica (1969-71) sob a orientação de Plínio Campos Nogueira e Manoel Reis Salvador, na Clínica Infantil do Ipiranga. Posteriormente, em 1972, ingressou no Hospital das Clínicas da FMUSP na função de estagiário da disciplina de Cirurgia Pediátrica (Serviço do Professor Dr. Virgilio Carvalho Pinto) e, em seguida, complementou os estudos como pós-graduando, obtendo, sob a orientação do Professor Dr. João Gilberto Maksoud, os títulos de Mestre (1980) e de Doutor (1987) no curso de Pós-Graduação da FMUSP. Nesse meio tempo, em 1975, conquistou o título de Especialista em Cirurgia Pediátrica, em concurso realizado pela CIPE em São Paulo.

     Foi assistente do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Hospital Matarazzo (1976), chefiado pelo Dr. Manoel Reis Salvador, a quem sucedeu em 1980, permanecendo até o encerramento das atividades do Hospital (1993).
Foi professor adjunto (1991) e titular (1993) do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro e chefe da disciplina de Cirurgia Pediátrica desde a sua criação em 2000. Entre outras atividades acadêmicas na Instituição, foi coordenador da Comissão de Residência Médica - RM (93-2001), supervisor do Programa de RM em Cirurgia Geral (1992-1996) e extramuros foi secretário da Comissão Estadual de RM (CERMESP) de 1997 a 2002.

      No campo das atividades associativas, já exerceu cargo de Diretoria na Associação Paulista de Medicina (gestões 1989-91 e 1991-93). Na CIPESP, foi presidente em 1982-84, retornou em 2001-03, cumprindo, no momento, o 3º mandato (2003-06). Já foi membro da Comissão de Oncologia e ressalta, com orgulho, ter sido eleito para dois mandatos da Comissão de Título de Especialista (1984-88 e 1992-97). Baratella é sócio fundador das Sociedades de Pediatria de São Paulo, Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (1975) e Brasileira de Oncologia Pediátrica (1981).